ACARAÚ SEM TERMINAL RODOVIÁRIO, ATÉ QUANDO?

Páginas

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

ACARAÚ FOLIA: Debate sobre organização em rede social abre discussão sobre o carnaval


É engraçado, pois não é que nos últimos dias tenho visto uma postagem na rede social Facebook dizendo que os vereadores de Acaraú querem acabar com o carnaval nos moldes como ele esta sendo concebido nos últimos anos em Acaraú.

O Carnacaraú, como ficou conhecido nos primórdios de suas primeiras edições, foi concebido de uma ideia que surgiu se eu não me engano na serra da ibiapaba, não sei se foi em Ubajara, São Benedito ou mesmo em Tianguá, o certo é que durante os primeiros anos, o carnaval de Acaraú mais afastou os foliões do que propriamente ao contrario, ou alguma coisa parecida!

A partir da incrementação nos investimentos, junto com a contratação de bandas de renome e a mudança da nomenclatura de Carnacaraú para o atual Acaraú Folia, é que o nosso carnaval começou a tomar corpo, e se transformar em uma referência carnavalesca no interior do estado.

Não irei aqui entrar na questão do mérito politico, até por crer não ser o intuito, mas irei sim, tentar ser sucinto quanto a problemática de cunho estritamente social, se é que se pode chamar de  apenas problemática , já que o certo é que os idealizadores do carnaval nos atuais moldes, com vendas de abadás, privatização da praça e toda a estrutura que é montada durante o período momino, ao pensaram em uma coisa, acabaram sem querer acertando em outra.

Tudo bem que o nosso "Acaraú Folia" nos atuais moldes já se tornou uma tradição, que dentro do cercado da praça é muito seguro, que a estrutura, quando bem pensada, é muito interessante para os foliões, que é melhor (Opinião a qual eu também concordo), que atrai mais foliões, etc, etc, etc...

Mas paremos para pensar um minuto, será que o carnaval de Acaraú só pode existir nesses moldes? Alguém aí já parou pra pensar o quanto é difícil para um pai ou mãe de família que tem dois, três, quatro ou mais filhos, ter que arcar com os custos dos abadas? Isso falando somente dos abadas, porque se formos pensar em um todo, realmente desanima qualquer um! Aonde está escrito que uma família que apesar de não ter como arcar com as compras dos abadas, não tem direito de brincar o carnaval como qualquer outro cidadão de bem? Ok, essa mesma família poderá "assistir" a todo o espetáculo das bandas de fora do cercado, mas convenhamos, quem é capaz? É no minimo uma situação constrangedora, imagine você do lado de fora do cercado com sua família, vendo seus vizinhos pulando e se divertindo como se você e sua família não fossem dignos de esta ali, juntos dos demais.

Será que a segregação social que a qual nós nos submetemos é correta? Como diz a música "Será Imoral, Ilegal ou engorda?". É fácil para os críticos atacarem logo aos berros de demagogia, falacia politica, ou algo mais "pesado",  mas fico pensando naqueles que não tem poder aquisitivo para bancar a farra momina, mas que sentem vontade de poder desfrutar do carnaval como qualquer outra pessoa de bem.

Concordo com aqueles que alegam que o carnaval de Acaraú nos moldes atuais, têm atraído uma grande quantidade de visitantes ao município, mas me pergunto se não haveria outras maneiras de promover o nosso carnaval sem que tivéssemos o poder de apontar o dedo e decidir quem tem o direito de brincar ou não!

Sempre que esse assunto vêm a tona, os defensores ferrenhos do "Acaraú Folia" já saem aos gritos, proferindo profeticamente que o carnaval de Acaraú acabará se for criada outras opções de organização carnavalesca. Eu pessoalmente gosto muito do carnaval de Acaraú, mas acho que já está na hora de procurarmos alternativas que possam engrandecer mais e mais nossa festa carnavalesca.

Uma das alternativas que vejo com bons olhos e que já são uma realidade pelas ruas de Acaraú durante o carnaval, são os blocos de rua que sem investimento algum por parte do poder público, reúnem-se, fazem suas cotas e desfilam em seus bairros de origem. A algum tempo atrás, quando eu ainda era criança, quase de colo, lembro-me da época em que o carnaval tinha seus desfiles pelas ruas, todo mundo fantasiado e que enchia de alegria o nosso Acaraú.


Porquê não abrir a praça para o povo e criar um espaço vip com vendas de abadas para aqueles que gostam, ou mesmo, a instalação de camarotes com serviços diferenciados para  os foliões que querem acompanhar a folia com mais regalias? Tudo é uma questão de boa vontade!

Lógico que os tempos são outros, mas o que eu quero dizer é que existem sim maneiras de promover o carnaval Acarauense sem precisar privatizar o espaço público e praticamente extorquir os nossos foliões em busca da venda dos famigerados abadas.

A questão da segurança, estrutura, bandas e tudo mais que é dado como motivos para que não se mude os moldes de organização do nosso carnaval pode ser questionada através de uma simples palavra: INVESTIMENTO.

Pode ser que nos primeiros anos, tenhamos uma queda no números de visitantes, mas ao se conceber um carnaval organizado, com segurança, com uma infra-estrutura preparada para receber nossos foliões visitantes e com bandas de gosto popular, creio que rapidamente teríamos condições de recuperar nossa importância no carnaval Cearense, isso partindo do principio que todas a profecias catastróficas acabassem por se realizar, o que eu acho pouco provável.

Não conheço o teor do projeto, ou mesmo, se há um projeto na Câmara Municipal de Vereadores sobre o tema, mas creio que é salutar a discussão. A muitos anos, apesar de ter aprendido a aceitar e gostar do carnaval de Acaraú como ele é, venho crendo que já passou da época de se rever nossa organização carnavalesca.

Não quero crer que nós acarauenses, não tenhamos a capacidade de brincar, pular e se divertir no carnaval simplesmente porque não tem uma camisa dizendo quem pode ou não curtir o carnaval.

O certo é que bem ou mal, esta discussão é uma oportunidade maravilhosa que se apresenta a nós acarauenses através dos nobres vereadores, que ao lembrarem que o carnaval é uma festa popular, que deve ser realizada para todos os acarauenses e não somente para aqueles que tem o poder aquisitivo para bancar uma camiseta, fazem jus ao nome de representantes do povo.

5 comentários:

Anônimo disse...

Era só o que faltava!! Estavam querendo acabar com o Acaraú, e agora querem acabar com o Carnaval, período em que a cidade cresce e as pessoas se divertem.

O carnaval em Acaraú, ao contrário do que foi dito na matéria, só cresceu nos últimos anos, desde que tomou os moldes implantados pela administração da D. Magda.
A festa é aberta AO POVO E PARA O POVO. Tem festa na praia, nos distritos, e inclusive na praça, aberta ao povo. A população estaria excluída da festa se a mesma fosse realizada em um local fechado, e não é, as pessoas têm acesso a festa, dançam e se divertem.

Agora, meu amigo dizer que este seu comentário não envolve política é que me admira! Por que desde que foram anunciadas as bandas para o Carnaval deste ano de 2012, que choveram críticas, só que ao contrário do vocês desejavam o Carnaval de Acaraú foi MARAVILHOSO, CIDADE CHEIA, FESTA O DIA TODO...

Ah! E a propósito a festa deveria voltar a se chamar CARNACARAÚ...que é bem mais bonito, e lembra uma época bem mais feliz...

Anônimo disse...

E de muita sabedoria e abragência o teu comentário haja vista da praça ser um espaço público e quando o cidadão com menor poder aquisitivo é impedido de se divertir em um ambiente comum fere-se o princípio de ir e vir .Deve-se construir talvez um centro comunitário semelhante ao de Bela Cruz e por aí organizar de forma menos discriminativa.

Acarauense disse...

É incrível como esse blog se contradiz em cada postagem!

Fnord disse...

Concordo contigo, Erasmo. Acho que esse modelo de carnaval que está sendo praticado mais exclui os acaruenses do que atrai.

Poderia apontar ao menos 50 pessoas [sem exagero nenhum] que deixaram de visitar o carnaval da cidade, depois que se adotou esse modelo.

Uma camiseta não me diz como vou brincar o carnaval, mas a grande maioria das pessoas de classe baixa não vão se humilhar numa praça, do 'lado de fora', só para assistir as melhores atrações do carnaval da cidade.

Segurança é obrigação do estado... Falta segurança todos os dias, mas costumamos reclamar somente na época do carnaval.

E os turistas... bem... É uma pena para os comerciantes que precisam deles, mas um carnaval mais voltado para a sociedade acarauense, traria 3 pessoas, para cada turista que não viesse.

Anônimo disse...

Trata-se de crime de improbidade administrativa. Uma praça não pode ser privatizada para um evento que deveria ser público. Utilização indevida do espaço público, com flagrante segregação da população, separando aqueles que pagam daqueles que não possuem sequer R$ 10,00 para gastar no carnaval. Sou de outro estado, fui e não gostei. Estive em casa de uma família onde haviam mais de 10 jovens que queriam brincar mas não tinham dinheiro. Esses mesmos jovens estão sendo assediados para trabalhar em campanha política daqueles que os excluíram do carnaval!